You are currently viewing Automedicação e desequilíbrio fisiológico: entenda a relação

Automedicação e desequilíbrio fisiológico: entenda a relação

O desequilíbrio fisiológico acontece quando o corpo não consegue mais manter sua condição normal. E as causas são variadas, incluindo aí a automedicação.

E infelizmente, a automedicação é um grande problema em nosso país. Dados do Conselho Federal de Medicina indicam que 77% dos brasileiros fazem o uso de medicamentos sem qualquer orientação médica. 

No artigo que compartilho abaixo, explico de forma mais detalhada o que é desequilíbrio fisiológico, e também como a automedicação impacta neste processo. Siga a leitura e tire suas dúvidas!

O desequilíbrio fisiológico

A homeostase refere-se à necessidade do corpo de alcançar e manter um certo estado de equilíbrio. O termo foi cunhado pela primeira vez por um fisiologista chamado Walter Cannon em 1926. 

Mais especificamente, a homeostase é a tendência do corpo de monitorar e manter estados internos, como temperatura e açúcar no sangue, em níveis razoavelmente constantes e estáveis.

Ou seja, a homeostase refere-se à capacidade de um organismo de regular vários processos fisiológicos para manter os estados internos estáveis ​​e equilibrados. Esses processos ocorrem principalmente sem nossa percepção consciente.

Como manter o equilíbrio fisiológico?

Seu corpo estabeleceu pontos para uma variedade de estados – incluindo temperatura, peso, sono, sede e fome. 

Quando o nível está desligado (em qualquer direção, muito ou muito pouco), a homeostase funcionará para corrigi-lo. 

Por exemplo, para regular a temperatura, você suará quando estiver muito quente ou tremerá quando estiver muito frio.

Uma teoria da motivação humana, conhecida como teoria da redução do impulso, sugere que os desequilíbrios fisiológicos criam necessidades. 

Essas necessidades para restaurar o equilíbrio levam as pessoas a realizar ações que retornarão o corpo ao seu estado ideal.

Como os medicamentos causam o desequilíbrio fisiológico

Os medicamentos, em situações pontuais, podem ajudar médicos e iniciar um tratamento que seja efetivo no combate à doença. Mas também podem causar o desequilíbrio fisiológico do nosso organismo.

Aliás, um efeito colateral é um sintoma indesejado causado por tratamento médico. Todos os medicamentos podem causar efeitos colaterais.

Por exemplo, alguns antibióticos podem causar reações alérgicas em cerca de 5% da população, sem contar o grande impacto que causa em nossa microbiota intestinal. 

Erupções cutâneas são uma reação comum. Mas nem sempre é fácil dizer se a reação é causada pelo medicamento ou pela doença.

Mas o grande problema está na automedicação, quando pessoas tomam medicamentos por conta própria, querendo camuflar um sintoma que pode indicar uma doença mais grave.

Nesse sentido, o corpo pode entrar em desequilíbrio fisiológico e sofrer as consequências dessa ação. E em alguns casos, o próprio medicamento pode impedir que este desequilíbrio fique evidente.

Leia também::: Como evitar o uso crônico de medicamentos?

Jamais se automedique

Quem me acompanha sabe que procuro aplicar uma medicina focada no tratamento dos sintomas, e não nas consequências da doença.

Nesse sentido, antes de prescrever qualquer medicamento, procuro determinar o que está causando determinado sintoma, e atuar no sentido de tratá-lo, e não camuflá-lo com medicamentos.

Além disso, condeno a automedicação, que como já falei outras vezes, afeta diretamente nosso organismo e, como consequência, causa o desequilíbrio fisiológico.

Aliás, preparei um vídeo sobre os riscos da automedicação para o meu canal do Youtube, que você pode conferir clicando abaixo. E já aproveita e siga também meu canal, onde compartilho muitas dicas e informações para quem deseja mais saúde.